Coxim/MS, Terça-Feira, 25 de Setembro de 2018 | 09:02
27˚
(67) 3042-4141
Polícia
Terça-Feira, 15 de Maio de 2018, 11h:36
Tamanho do texto A - A+

Fiscal da prefeitura é preso por cobrar “taxa” para agilizar o andamento de processos

Funcionário estava em período de estágio probatório

Laura Holsback
Capital News

 

Sheila Forato/Edição de Notícias

Fiscal da prefeitura é preso por cobrar “taxa” para agilizar o andamento de processos

Funcionário público foi preso em flagrante

 

Fiscal da prefeitura foi preso em flagrante por cobrar “taxa” para agilizar o andamento de processos. A prisão de Giovando Almeida Bispo foi nesta segunda-feira (14), quando ele estava prestes a receber a quantia de R$ 70 de uma mulher na gerência de Projetos, localizada na região central de Coxim. 

 

De acordo com o site Edição de Notícias, esse valor era o que o fiscal estaria cobrando para agilizar regularização fundiária no município. Ele vai responder por concussão, que é o ato de exigir vantagem indevida em função do cargo que ocupa.

 

Ciente dessa cobrança indevida, desde a semana passada, a Procuradoria Geral do Município de Coxim tinha pedido para a Polícia Civil abrir inquérito para apurar denúncias. Junto com o pedido, o advogado Douglas Wagner van Spitzenbergen anexou mensagens trocadas entre o fiscal e pessoas que fizeram o pagamento, assim como recibos assinados por ele.

 

Na delegacia, Giovando confessou que cobrava os R$ 70, mas, alegou que era por um serviço que ele fazia fora do horário de expediente, por conta própria. O procurador da prefeitura rebateu a informação, afirmando que ele não poderia cobrar por esse serviço, pois já era remunerado para a função.

O fiscal foi contratado recentemente pela prefeitura por meio de concurso público e estava em estágio probatório.

 

O advogado acredita que o fiscal fique preso até a audiência de custódia e depois deve responder pelo crime em liberdade. Porém, se ele for condenado pela concussão pode pegar de dois a oito anos de prisão. Paralelamente a ação criminal, Giovando deve responder por uma sindicância que pode levar a exoneração. Suspenso do serviço público ele já está.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Trinix