00:00:00 Quinta-feira, 18 de Julho de 2024


Trânsito Sexta-feira, 01 de Maio de 2015, 09:04 - A | A

Sexta-feira, 01 de Maio de 2015, 09h:04 - A | A

Com pátio lotado no Detran de Coxim, fiscalização do GTRAN fica prejudicada

A gestão de Coxim há muito tempo é reprovada por conta do péssimo serviço prestado aos proprietários de veículos, que somente no ano passado pagaram aproximadamente R$ 2,5 milhões de IPVA.

Edição MS
AG

Com pátio lotado, sem ter condições de receber veículos, o Detran/MS (Departamento de Trânsito de Mato Grosso do Sul) está prejudicando a fiscalização por parte do GTRAN (Grupamento de Trânsito) da Polícia Militar.

Qual a solução para o problema? Qualquer um responderia: esvaziar o pátio ou melhorar a infraestrutura do órgão para receber mais veículos. Já o Detran/MS não responde. Estamos aguardando, há quase três dias, uma resposta por parte da assessoria de comunicação do órgão.

O fato é que o trabalho da Polícia Militar está prejudicado. As constantes blitze não acontecem mais. Segundo informações extraoficiais, por que o Detran/MS de Coxim não recebe veículos apreendidos, independente da irregularidade.

“Nem mesmo os veículos irregulares que se envolvem em acidentes podem ser apreendidos, pois a polícia não tem para onde encaminhá-lo”, informou um agente da segurança pública que pediu para não ter o nome revelado, caracterizando a situação como absurda.

Enquanto isso, veículos com todos os tipos de irregularidades circulam pelas ruas de Coxim, colocando em risco a segurança da população, principalmente pela impossibilidade de fiscalização do GTRAN. Não é preciso estatística para notar que, com a interrupção das blitze, o número de acidentes voltou a crescer.

Em visita recente à Coxim, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) disse que vai estruturar todos os órgãos do Estado, inclusive o Detran/MS e a Polícia Militar, ambos questionados por nossa reportagem. Entretanto, até o momento nenhuma ação foi feita nesse sentido.

A gestão do Detran/MS de Coxim há muito tempo é reprovada pela população por conta do péssimo serviço prestado aos proprietários de veículos, que somente no ano passado pagaram aproximadamente R$ 2,5 milhões de IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores).

Comente esta notícia