Segunda-feira, 27 de Maio de 2024


Coxim Segunda-feira, 09 de Fevereiro de 2015, 19:02 - A | A

Segunda-feira, 09 de Fevereiro de 2015, 19h:02 - A | A

Coxim deve ser a pioneira na regionalização da saúde, afirma secretário

Kemila Pellin - Capital News

O secretário de saúde do Estado de Mato Grosso do Sul, Nelson Tavares, participou de uma reunião com os dirigentes da Santa Casa e o secretário de saúde de Campo Grande, Jamal Salem, na tarde desta segunda-feira (10).

Após o término da reunião, o secretário conversou com a imprensa e comentou sobre os projetos do governo estadual já para 2015, assim como as propostas para a Santa Casa, que pretendem aliviar o fluxo de pacientes da mesma.

Tavares usou como proposta central para a saúde do estado, a regionalização baseada nas 11 microrregiões, já pautadas pelo governador Reinaldo Azambuja. E frisou que a organização do sistema é essencial para uma evolução da saúde.

A primeira cidade a ser beneficiada com o projeto de regionalização da saúde deve ser Coxim, na região norte do estado, onde o hospital regional está atuando com apenas 40% de sua capacidade.

O objetivo, segundo o secretário, é equipar e colocar em funcionamento 100% do hospital, para atender a cidade e a região, com exames de diversas especialidades, assim como com cirurgia de baixa e média complexidade. Desta forma, a Santa Casa da Capital não será sobrecarregada com pacientes menos graves e podem investir seus recursos em pacientes de alta complexibilidade.

Tavares explicou que não será possível levar um médico radiologista para cada região, porque isso teria um custo muito elevado, mas que os exames devem ser feitos nas microrregiões e os pacientes precisaram vir para Campo Grande apenas para saber o resultado do mesmo, e para isso será montado um centro de diagnostico.

“Nós temos mamógrafos espalhados por todo o estado hoje, a maioria deles não está funcionando. Por exemplo, nós temos mamógrafos em Rio Verde há cinco anos dentro de uma caixa. É culpa de Rio Verde, não é. Não adianta você ter um mamógrafo se você não tem um médico radiologista para dar o diagnóstico. E você tem um médico radiologista em Rio Verde? Absolutamente, nem tem chance, custa muito caro. E o que nós estamos fazendo? Montando um centro de diagnóstico aqui em Campo Grande onde nós vamos dar o resultado de todas as mamografias, raios x, tomografias do estado. Uma coisa infinitamente menor”.

O secretário admitiu que isso não vai resolver o fluxo de ambulâncias do interior para a Capital, mas afirmou que vai desafogar significativamente os hospitais locais.

Tavares concluiu afirmando que as mudanças devem começar já neste ano, provavelmente no final de março, em Coxim, e no decorrer de 2015 nas demais regiões, uma vez que o governo ainda precisa se estruturar financeiramente depois das surpresas negativas que teve.


 

Comente esta notícia