Coxim/MS, Terça-Feira, 05 de Julho de 2022 |
27˚
(67) 3042-4141
Economia
Quinta-Feira, 07 de Abril de 2022, 16h:54
Tamanho do texto A - A+

Novas mineradoras vão gerar mais de 300 empregos em MS

Empreendimentos vão atuar na região de Corumbá e em Inocência

Rogério Vidmantas
Capital News

Divulgação

Mineração Corumbá

Duas novas mineradoras vão atuar na região de Corumbá e Ladário

Mato Grosso do Sul tem a terceira maior reserva de minério de ferro e a primeira de manganês do Brasil e com potencial para ampliar a exploração mineral neste ano com a chegada de três novas mineradoras. Duas delas estão em Corumbá e a terceira em Inocência. 

 

As mineradoras que estão chegando são a MPP/4B Mining e a 3A Mining em Corumbá e Ladário (ferro e manganês) no Morro do Rabicho e no Morro Tromba dos Macacos. Juntas vão produzir 4 milhões de toneladas de minério de ferro por ano e em plena capacidade devem atingir 8 milhões de toneladas de minério de ferro. O outro empreendimento é a mineradora São Francisco de basalto, que vai produzir pó de rocha no município de Inocência. Juntas irão gerar mais de 300 empregos diretos e mais renda aos respectivos municípios e ao Estado.

 

A chegada das novas empresas é comemorada pelo secretário Jaime Verruck, da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro). “Estamos em busca de novos investidores e conversando com as empresas, que já tenham pesquisas aprovadas ou com portarias de lavras. Além disso estamos acompanhando a questão da negociação da Vale e do player que venha a assumir o espaço que empresa ocupa hoje no Estado. Nosso objetivo é que este novo dono faça uma ampliação da produção de minério de ferro e manganês nos próximos anos”, disse.

 

De acordo com o secretário, as novas empresas já estão estruturando suas operações. “A 4B Mining já está extraindo minério de ferro. Então são duas mineradoras de minério de ferro e outra na parte de britagens de basalto para a indústria de Construção Civil e Agricultura, que são os chamados remineralizadores, ou o chamado Pó de Rocha", enfatizou.

 

Logística

Governo de MS/Aquivo

Jaime Verruck

Jaime Verruck comemorou a chegada dos novos empreendimentos em Corumbá e Inocência

Além do grande potencial mineral, a cadeia produtiva aposta na melhoria da logística com a retomada do processo de licitação da ferrovia Malha Oeste, que liga Corumbá a Mairinque em São Paulo e ainda o retorno de parte das atividades da hidrovia do Rio Paraguai. 

 

Jaime Verruck confirmou o cenário de melhoria da questão logística. “Com a sinalização da própria concessão da Malha Oeste e o regime de autorização ferroviária e a volta da navegabilidade do Rio Paraguai a perspectiva é que haja um incremento na produção e na exportação de minério de ferro e manganês, além do envio para o mercado interno”, destacou o secretário, exaltando a qualidade das jazidas minerais do Estado.

 

Recursos para projetos

 

O grande desafio que o setor mineral enfrenta é o financiamento de projetos no Brasil, principalmente para as pequenas e médias mineradoras. O Estado de Mato Grosso do Sul, conta com o Fundo Constitucional do Centro Oeste- FCO, que pode financiar estas empresas, que estão com demandas da mineração. “Podemos através do FCO, liberar até 80%. Em geral os projetos apresentados ao Estado são em sua maioria de recursos próprios, fundos nacionais e bancos privados", afirmou o secretário executivo da Cadeia Produtiva Mineral da Semagro, Eduardo Pereira.

 

Ele explicou que outros investimentos de minerais metálicos, buscam mecanismos que possam fazer o projeto minerário sair do papel e virar lavra mineraria, que são os de participação e captação em bolsa, além de investimento via fundos privados. “Outro modelo muito usado de financiamento são as vendas antecipadas de minério (streaming)”, afirmou Pereira, da Cadeia Produtiva Mineral da Semagro.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix