00:00:00 Quarta-feira, 17 de Julho de 2024


Polícia Sexta-feira, 24 de Abril de 2020, 08:48 - A | A

Sexta-feira, 24 de Abril de 2020, 08h:48 - A | A

Investigação

Adolescente é executado em frente a casa da avó

Antes de morrer vítima escreveu na perna “O perigo me facina”

Elaine Silva
Capital News

PC de Souza/Edição MS

Adolescente é executado em frente a casa da avó

Crime aconteceu na noite de quinta-feira

“O perigo me facina. A liberdade me namora. Como diz o vida loka Só Deus sabe”, e logo abaixo o números 157, uma referência ao artigo do Código Penal que trata do roubo com emprego de violência e ameaça. Essa foi a última tatuagem do adolescente de 15 anos, executado em frente a casa da avó. Caso aconteceu na tarde de quinta-feira (23), na Avenida Frei Cirino, em Coxim. 

 

PC de Souza/Edição MS

Adolescente é executado em frente a casa da avó

Última tatuagem do adolescente

Vítima estaria em frente a casa da avó com colegas quando foi atingido no peito por um tiro. Segundo o site Edição MS o autor teria chegado numa motocicleta e disparou várias vezes, mas, aparentemente, só um tiro acertou a vítima, que correu para dentro da casa e morreu no quintal. Os colegas correram e não teriam sido atingidos.

 

Suspeita é que o adolescente teria envolvimento com uma facção criminosa. A vítima é o adolescente que confessou ter matado, em setembro do ano passado, José Salvador Silva Filho, 60 anos, mais conhecido como Zé Côco. Ele deixou a Unidade Estadual de Internação (UNEI) no final do mês passado.

 

Dois dias após chegar em Coxim o adolescente foi flagrado no endereço que morreu ingerindo bebida alcoólica, o que levou sua avó, Maria Cristina Rodrigues da Silva, de 55 anos, para a prisão. Ela só saiu depois de pagar fiança. Ele é irmão de outro adolescente, de 17 anos, que também tem várias passagens na polícia. No final de abril esse irmão foi apreendido depois de esfaquear o próprio tio, o zelador João Andrade dos Santos, de 54 anos, no Jardim dos Pequis, em Coxim.

 

Uma das hipóteses é que a morte seja em decorrência da rivalidade entre facções. Uma vez que a vítima se intitulava integrante de uma delas. Porém, o delegado disse que não tem informação que possa confirmar isso.

 

Comente esta notícia