Sexta-feira, 24 de Maio de 2024


Polícia Segunda-feira, 30 de Março de 2020, 11:15 - A | A

Segunda-feira, 30 de Março de 2020, 11h:15 - A | A

Falhou

Avó é presa após dar vodka para o neto

Questionada autora disse que estava agradando o adolescente

Elaine Silva
Capital News

PC de Souza/Edição MS

Avó é presa após dar vodka para o neto

Autora conseguiu se livrar da prisão mediante pagamento de fiança

Uma confusão por som alto, no fim da tarde deste domingo (29), em Coxim, terminou com uma mulher de 57 anos presa, após fornecer vodka para o neto de 15 anos. Caso aconteceu após denúncia anônima. 

 

Policiais foram ao local e notaram que em frente a casa da reclamante tinha um adolescente sentado, ingerindo vodka. Depois de conversar com o vizinho, que estava com som alto, eles retornaram a casa da idosa e questionaram quem tinha comprado a bebida alcoólica para o adolescente.

 

Levada para a delegacia de Polícia Civil, a autora conseguiu se livrar da prisão mediante pagamento de fiança de 1/3 do salário mínimo. Entretanto, ela vai responder pelo crime e, caso seja condenada, pode pegar de dois a quatro anos de detenção, assim como o pagamento de multa.

 

Ao tentar se justificar aos policiais, conforme o site Edição MS,a autora relatou que estava fazendo um agrado ao neto, que chegou sexta-feira (27) de Campo Grande. Ele é o adolescente que confessou ter matado José Salvador Silva Filho, 60 anos, mais conhecido como Zé Côco, em setembro do ano passado, no bairro Senhor Divino, em Coxim.

 

Como se fosse pouco, o adolescente em questão é irmão do adolescente de 17 anos que esfaqueou o tio, o zelador João Andrade dos Santos, de 54 anos, na tarde deste sábado (28), no Jardim dos Pequis, em Coxim. O flagrante da ingestão de bebida alcoólica pelo de 15 anos foi feito, inclusive, na mesma residência em que o de 17 anos foi localizado após o crime.

 

Conforme a Polícia Militar, o adolescente de 15 anos estava detido em uma UNEI (Unidade Educacional de Internação) e foi liberado por alguns dias devido ao Coronavírus (Covid-19). A pandemia devolveu as ruas muitos adolescentes infratores, assim homens e mulheres que cometeram crimes de menor potencial.

 

 

Comente esta notícia