Coxim/MS, Terça-Feira, 20 de Outubro de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Política
Sábado, 08 de Agosto de 2020, 14h:20
Tamanho do texto A - A+

“Fôlego para o setor”, diz Paulo Corrêa benefício ao transporte rural

Setor está passando por dificuldade desde a suspensão das aulas devido a pandemia

Flávio Veras
Campo Grande

ALMS

Paulo Corrêa ressaltou compromisso da Casa de Leis em manter o trabalho em benefício da população

 

O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, deputado estadual Paulo Corrêa, recebeu de maneira positiva a resposta do Tribunal de Contas do Estado (TCE), da última quinta-feira (6), que beneficia os trabalhadores do transporte escolar rural no Estado.

 

O setor foi prejudicado desde março de 2020, quando as aulas na rede pública estadual e municipal foram suspensas que atingiram os cerca de 2,5 mil trabalhadores. Desde o mês de maio em tratativas junto ao Governo do Estado, SED (Secretaria Estadual de Educação), TCE e prefeitos, Paulo Corrêa buscava uma alternativa que possibilitasse um fôlego financeiro ao setor, que veio na semana passada, com voto do conselheiro Marcio Monteiro, a uma consulta formulada à corte fiscal acerca de pagamento antecipado aos contratos de prestação de serviço de transporte escolar paralisados, feita pela Prefeitura Municipal de Ponta Porã.

É possível realizar a antecipação de pagamento ou pagamento provisório de percentual necessário (estimado em 30% do valor médio mensal recebido) para que o contratado faça frente aos custos fixos da operação”, definiu o conselheiro em sua resposta à consulta.

 

Para o deputado Paulo Corrêa, a devolutiva da Corte Fiscal traz esperança para o setor. “São centenas de famílias de trabalhadores afetadas pela pandemia, e que estavam sem sua principal fonte de sustento, mas que agora poderão voltar receber salário”, declarou o parlamentar.

 

Em seu voto, Monteiro detalhou que os contratos administrativos formalizados para prestação de serviços de transporte escolar preenchem as condições legais para a antecipação de pagamento, especialmente custos atinentes a remuneração de trabalhadores e financiamentos.

 

O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Escolar de Mato Grosso do Sul (SIEMTE/MS), Carlos Paulo Luzardo, revelou que aproximadamente 40 mil alunos eram transportados, principalmente nas zonas rurais, em todo o Estado. São cerca de 120 empresas do setor, que empregam aproximadamente 2,5 mil trabalhadores. “Nós precisávamos dessa antecipação principalmente para garantir o compromisso com os colaboradores, e para manter a estrutura das empresas. Alguns empresários tinham no transporte escolar rural sua única fonte de renda, e foram muito prejudicados pela pandemia”, disse Luzardo.

 

O presidente do sindicato do setor classificou como ‘fundamental’ a atuação do deputado Paulo Corrêa junto à demanda da categoria.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix